sexta-feira, 2 de maio de 2014

Mina da Juliana – uma história de resistência. 2ª parte : A resistência.

No ano de 1948, uma jovem professora deslocava-se para a Mina da Juliana, onde ensinava na escola primária, através de difíceis caminhos rurais que atravessavam montados e barrancos, num carro de mulas puxado pelo seu ainda mais jovem irmão [uma nota pessoal: a professora era minha tia e seu irmão meu pai]. Somente no ano seguinte, 1949, se dá início à construção da estrada municipal entre a Mina e Santa Vitória, sede da freguesia, minimizando o isolamento dos habitantes dessa aldeia.
Não durou vinte anos, essa estrada. A construção da Barragem do Roxo, levou a que tivesse de ser desenhada uma outra, um pouco mais extensa e com um traçado menos reto, já que a primeira seria “engolida” pelas águas, tal como a sua primeira ponte, junto a Santa Vitória e o Monte da Corte Ripais, que ficava bem perto e que foram ambos submergidos. No caso do monte, foi mesmo construído um novo, um pouco mais acima do anterior.
O súbito enchimento da barragem, em 1968 não poupou a Mina da Juliana. Não de uma forma tão radical e dramática como algum tempo depois, em Vilarinho das Furnas, e mais recentemente na Aldeia da Luz, uma parte da aldeia foi invadida e as suas casas destruídas pelas águas. Alguns dos habitantes foram alojados em casas de familiares, outros em tendas do exército que tiveram de ser instaladas no local, outros optaram por deixar a sua terra e procurar nova vida, em Portugal ou no estrangeiro.
Depois do encerramento da quase totalidade das minas, era mais um rude golpe na vida dos habitantes dessa pequena e isolada localidade, que via muitos dos seus filhos sairem para enfrentar o futuro noutras paragens.
Mas, tal como no resto do País, a Mina da Juliana “renasceu” em 1974, com o 25 de Abril e a liberdade conquistada. E, principalmente, com a implantação de um poder local novo, democrático, e que vai contribuir para que as pequenas comunidades não desapareçam do mapa, destino a que estavam condenadas no tempo da ditadura.
Terá sido um dos momentos mais emocionantes que vivi, logo após a implantação da democracia, a ligação da luz elétrica na Mina Juliana, em 1976. Todos os presentes, começando pelos seus habitantes, os que se tinham deslocado propositadamente para assistir aquele momento histórico (como eu), os novos autarcas (recordo sobretudo o José Carlos Colaço, primeiro presidente da Câmara de Beja democrática), viveram de forma intensa e emocionada, os primeiros raios de luz que saíam dos candeeiros que passavam a iluminar aquelas ruas e das portas e janelas das habitações até então iluminadas a petróleo.
Ainda fruto do 25 de Abril, os habitantes da Mina da Juliana, tal como milhares de outros do Alentejo,  depositaram, mais tarde, as suas esperanças na Reforma Agrária, concretizada com a formação da UCP Vanguarda do Alentejo, sedeada em Santa Vitória, mas que incluía algumas grandes propriedades próximas, como a Faleira ou a Malhada. Uma população que, nas eleições realizadas após o 25 de Abril, sempre votou maioritariamente à esquerda, via nessa transformação revolucionária, uma janela de esperança para uma vida melhor e para uma aldeia mais desenvolvida e com melhores condições para todos.
Com o fim da Reforma Agrária, verifica-se uma nova vaga de emigração, interna e externa, de muitos trabalhadores que perderam o seu trabalho. Mais um conjunto de “mineiros” que engrossa uma diáspora que se espalha pela Europa (França), América (Canadá) e pelo nosso País (curiosa é a existência de uma significativa colónia de originários da Mina da Juliana, em Praias do Sado, no Concelho de Setúbal).
Não obstante esta sangria que se tem verificado ao longo de décadas, a população da Mina da Juliana, ainda que vá diminuindo, a exemplo do que acontece um pouco por todo o interior, tem dado provas de uma resistência que deve ser enaltecida e que tem evitado o fim da localidade, quer quando se verificou o fim da atividade mineira, quer quando as águas da barragem destruíram casas e outras construções destinadas a várias atividades económicas.
Essa resistência tem sido reconhecida pelos órgãos do poder local – Câmara Municipal e Junta de Freguesia – e, graças a esse reconhecimento, a Mina da Juliana teve nas últimas décadas a valorização que os seus habitantes merecem : o abastecimento de água e o saneamento básico, as ruas asfaltadas, o centro de convívio e o posto médico, o parque infantil e até um campo de futebol  (quando, na década de 80 do século passado, as águas da barragem recuaram drasticamente e os jovens da terra quiseram – e conseguiram – participar no campeonato distrital do INATEL). O problema a seguir foi quando a barragem voltou a encher, inundando o campo, deixando apenas metade das balizas à vista.
Por outro lado, foi a construção do importante complexo agro turístico nas imediações que trouxe uma outra aspiração: a construção da estrada até Albernoa e ao IP2, até então um caminho de terra batida sem condições e que hoje liga as três localidades (Albernoa, Mina (e Monte) da Juliana e Santa Vitória), uma aspiração de décadas, permitindo o fluxo dos residentes, visitantes e turistas.
Mesmo com a escola encerrada e com as crianças a terem de se deslocar para a escola do 1º ciclo de Santa Vitória, a Mina da Juliana tem a possibilidade de receber a Biblioteca Andarilha que, a partir da “biblioteca-mãe” aí se desloca duas vezes por mês, levando os livros, os jornais, a cultura e, sobretudo o afeto, para combater o isolamento.
E é  para comemorar esse espírito de resistência e de amor à sua terra, que os residentes e os naturais que vivem fora, organizam, de há alguns anos a esta parte, um encontro, onde convivem, se divertem e, sobretudo, se reencontram, ao fim de muitos anos de afastamento. Costuma ser em Agosto e é divulgado no grupo de amigos criado no Facebook , onde basta procurar por Mina da Juliana.
Não será, por isso, por acaso, que na excelente reportagem publicada em maio de 2013 neste mesmo jornal, da autoria de Bruna Soares e com as fotos do José Serrano ( http://da.ambaal.pt/noticias/?id=3170 ), que para além da reivindicação da reparação da estrada para a sede da freguesia se exige “uma ligação à Internet rápida, para que, assim, se possa quebrar um pouco o isolamento”. Em nome da história da Mina. Em homenagem à resistência dos seus habitantes, antigos a atuais.
2 de Maio





Traçado da estrada Santa Vitória-Mina da Juliana 
Arquivo Fotográfico Municipal
Trabalhos de construção da estrada (1949)
Arquivo Fotográfico Municipal

A invasão das águas da barragem
Foto : Diário do Alentejo - 1971

Campo de futebol inundado
Boletim Municipal de Beja - 1996

Sem comentários:

Publicar um comentário